Entrevista com Leah Chandler e Nate Huff

Entrevista com Leah Chandler e Nate Huff

EN | ES | PT

Batemos um papo com Leah Chandler, Diretora de Marketing da Discover Puerto Rico, e com Nate Huff, Vice-Presidente Sênior da Miles Partnership, antes que participem como palestrantes da Conferência City Nation Place Latin America &Caribbean, e pedimos que nos contassem sobre os principais desafios enfrentados pelo place branding na região.  


CNP: Por que você acha que este é um bom momento paralançar o City Nation Place Latin America & Caribbean para reunir os placebranders nacionais, regionais e de cidades com a finalidade de explorar osdesafios únicos que a região enfrenta?

LC: Com turistas que anseiam por experiências autênticas, os destinos na América Central e no Caribe agora têm a oportunidade de mostrar sua cultura única, rica história e eclética culinária. Desde a queda nos preços do petróleo em 2015, que afetou as economias da América Latina, até a chegada do Furacão Maria no Caribe em 2017, o setor do turismo da região está deixando para trás desafios muito difíceis. É hora de aproveitar o momento, alavancar as oportunidades que nossos países construíram e compartilhar as melhores práticas à medida que continuamos desenvolvendo e executando sólidas iniciativas de marketing e branding.

 

CNP: Qual você considera o maior desafio enfrentadopelas equipes de place branding e marketing de lugares que trabalham paracidades, estados e lugares da América Latina e do Caribe?

NH: Acho que existem doisdesafios principais. Do ponto de vista do marketing, o desafio é posicionar umamarca de maneira que ela possa dar um sentido de lugar diferenciado e não cairno “mar de mesmices” visto desde a perspectiva do visitante em potencial. Doponto de vista organizacional, é comunicar o valor e o impacto que asorganizações de place branding e marketing de lugares bem-sucedidas têm naqualidade de vida dos moradores.

LC: Um dos maiores desafios que as equipes de branding e marketing têm na América Latina e no Caribe é a consistência da marca. Através de esforços de marketing estratégico, nossa meta é trazer impactos positivos à economia local e construir uma reputação global para o destino. O reconhecimento em escala global é o primeiro passo. O turismo é um motor econômico, e como uma organização privada, é nossa responsabilidade ir além dos desafios políticos que a maioria de nossas cidades e países enfrentam, e nos enfocar na convergência.

 

CNP: Como as percepções internacionais sobre aAmérica Latina e o Caribe estão mudando no cenário mundial? Isso está afetandosua estratégia de place brand?

LC: No caso de Porto Rico, osturistas estão percebendo que a Ilha é muito mais do que praias bonitas. Aodestacar as preciosidades escondidas na ilha, temos testemunhado um aumento nasvisitas às localidades fora da área metropolitana de San Juan, incluindoCulebra, Viegues, Cabo Rojo, Orocovis e Fajardo, apenas para mencionar algumas.A necessidade de experimentar o hiperlocal tem nos desafiado a pensar de formaoriginal e a explorar “lugares ainda não descobertos”, criando conteúdo cadavez mais atraente e humanizando a indústria do turismo.

 

CNP: Qual é para você a principal diferença entre o place branding e o marketing de lugares?

NH: O place branding requer acriação de um entendimento sobre a história única de um lugar/destino, baseadoem pesquisa. O marketing de lugares é encontrar a melhor forma de contar essahistória.

CNP: Quais são as vantagens de promover uma melhorcolaboração entre as equipes de desenvolvimento econômico e as de marketing dedestino?

NH: Quanto mais de perto as equipes de marketing de destino puderem trabalhar com os organismos de desenvolvimento econômico, maiores serão as chances de as equipes de marketing criarem um entendimento institucional de como as viagens e o turismo podem não apenas impulsionar o crescimento econômico, mas também melhorar a qualidade de vida dos moradores e dos visitantes. As Organizações de Gestão de Destinos (DMOs) do passado devem se transformar em Organizações de Marketing e Gestão de Destinos (DMMOs) do futuro, assumindo assim um papel ativo tanto no marketing como na gestão de um destino. 


CNP: Você acha que existe um papel crescente para osetor privado no apoio a marcas país e marcas cidade? Em caso afirmativo, qualé sua melhor dica para engajar organizações do setor privado no processo?

 NH: A criação de programas demarketing de investimentos compartilhados que ampliam o alcance das marcas paíse marcas cidade enquanto atraem uma audiência especialmente qualificada depotenciais clientes para as organizações do setor privado é fundamental parapoder competir no espaço do marketing de lugares.

 

CNP: Você acha que está se tornando cada vez maisimportante promover o valor e os impactos positivos do place branding entrecidadãos e governos? Por quê?

LC: A apresentação de resultados tangíveis decorrentes dos planos de marketing implementados será benéfica para todas as partes envolvidas, incluindo nossa organização, parceiros públicos e privados, e principalmente, a comunidade local. Quando Porto Rico foi eleito Lugar No. 1 para Visitar pelo The New York Times, ele foi catapultado como destino a níveis sem precedentes e, em última instância, o turismo impacta na economia dos visitantes mais ampla. Da renovação do nosso site aos nossos esforços contínuos para reposicionar a marca, impactar positivamente na comunidade tem sido nosso principal foco e é uma história que vale a pena ser contada. 

NH: Sem dúvida!  Como vimos recentemente nos desafios definanciamento enfrentados pelo México, e por vários estados e cidades dos EUA,há uma falta de entendimento básico dos impactos positivos – tanto econômicoscomo sociais – criados pelas organizações de place branding e marketing delugares. Assumir um papel mais forte na promoção e na educação, e desenvolvermelhores estratégias para articular os benefícios do place branding e domarketing de lugares entre as partes interessadas e as comunidades locais são essenciais para asobrevivência dessa indústria. 

  

CNP: Qual é sua principal dica para criar umaestratégia de place brand que seja sustentável em sua abordagem - tanto emtermos de preservar a cultura de seu lugar quanto de minimizar os impactosambientais?

NH: Acredito que um diálogofluido e aberto entre os cidadãos, o setor privado de turismo e as organizaçõesde branding e de marketing é a receita para o sucesso. A combinação de escuta eeducação bidirecional permite o desenvolvimento de estratégias táticas em tornoda dispersão e da sustentabilidade. 


Leah e Nate participarám conosco na Conferência City Nation Place Latin America & Caribbean que se realizará no próximo mês de setembro.

Junte-se a nós na Costa Rica nos dias 2 e 3 de setembro para descobrir mais sobre o place branding na América Latina e no Caribe. Mencione Blog10 ou clique AQUÍ para obter seu desconto especial de 10%.

Agenda

share